Estresse ou depressão. O que você esta sentindo?

12 AGO 2017
12 de Agosto de 2017
Nos últimos tempos, tenho atendido em meu consultório uma grande quantidade de pessoas com várias dúvidas com relação a este tema. Inclusive, este é um tema muito questionado por educadores nas escolas por onde faço palestras e consultoria. Sempre falo sobre alguns sentimentos, como a tristeza, frustração e cansaço que nos pegam e nos derrubam.

Se você não se sente assim, ótimo. Mas, às vezes mesmo nos sentindo realizados com a profissão, a família e os amigos, em algum momento por um motivo ou outro bate lá no fundo do coração, uma tristeza...um cansaço...uma 'frustraçãozinha'.

Tristezas momentâneas são diferentes de depressão, tanto quanto o cansaço é diferente de estresse, por isso neste texto vamos conversar um pouquinho sobre isso. 

Espero que a leitura seja boa e lhe ajude a identificar alguns problemas antes que seja tarde!

Dra. Regiane.



O que é a frustração?
Frustração é a sensação de incapacidade, é a sensação de fazer algo e depois perceber que não é nada disso que queria ter feito.  São várias as situações que podem ser frustrantes. Daí você me pergunta: “Posso me livrar dessas situações e não ter que passar por isso?”. E eu tenho que lhe responder: “Não. Pois, nem tudo depende de você”. Não depende só de você a forma como seus amigos, marido/esposa, filhos, patrão, clientes, alunos... vão se comportar. Porém, você já ouviu e leu por aí que para cada AÇÃO existe uma REAÇÃO, não é? Tome cuidado com o que “diz e faz” para não ter que lidar com o retorno de forma que não conseguirá equilíbrio e harmonia interpessoal. A frustração quando é mal administrada prejudica a qualidade de vida e leva à depressão e estresse.

O que é o cansaço?
O cansaço pode ser causado por um esforço físico grande e é perfeitamente normal e esperado. Quanto mais bem preparado fisicamente o indivíduo se encontra, mais resistente ele é ao cansaço. Pessoas sedentárias, podem sentir cansaço muito facilmente. Quadros infecciosos, principalmente os virais, também são causas de cansaços de curta duração.
O cansaço também é comum nas pessoas que levam uma vida muito corrida, com excesso de trabalho e de estresse, e pouco tempo de lazer e descanso. O cansaço neste grupo costuma surgir muito mais do estresse, da falta de sono, da má alimentação e, muitas vezes, da depressão ou distúrbios de ansiedade não diagnosticados, do que propriamente pela má forma física.
Entretanto, nem todo cansaço indica apenas um mau condicionamento ou excesso de trabalho, estresse ou depressão. Existem dezenas de doenças que podem se manifestar com um quadro de cansaço crônico. Por isso, é necessária uma investigação clinica para diagnóstico.

O que é o Transtorno Mental?
O transtorno mental esta relacionado a doenças como depressão, estresse, neurose, psicose, síndromes, fobias, esquizofrenia, dependência química e alcoolismo entre outras.
No mundo inteiro, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) mais de 400 milhões de pessoas são afetadas por transtornos mentais ou comportamentais, com 23 milhões somente no Brasil. Por essa razão, os problemas de saúde mental já ocupam cinco posições no ranking das dez principais causas de incapacidade para o trabalho e representam um fenômeno mundial.
Segundo informações do Ministério da Saúde, estima-se que cerca de 9% da população geral, em todas as faixas etárias, necessita de cuidados em saúde mental, na forma de tratamento psiquiátrico, psicológico ou psicanalítico, em função de transtornos mentais considerados leves. Além disso, estima-se que cerca de 3% da população geral, em todas as faixas etárias, necessite de cuidados contínuos em função de transtornos mentais severos e persistentes (depressão, psicoses, neuroses graves, etc.).
No Brasil, as doenças relacionadas aos transtornos mentais são a terceira causa de afastamento do trabalhador. Estes transtornos podem ocorrer quando as relações interpessoais são negativas e de baixo nível de consideração e confiança, a probabilidade do ambiente ser estressante e negativo aumenta, local em que as pessoas se esforçam muito e não recebem recompensa e apoio social.

Agora que você já sabe o que quer dizer cada sensação que pode estar sentindo, vamos conversar sobre a depressão e o estresse, doenças que fazem parte do grupo dos transtornos mentais. É muito importante que as pessoas saibam perceber os sintomas para poder procurar ajuda especializada e tratamento.

Depressão não é apenas uma tristeza passageira, diante de um fato adverso da vida. A pessoa apresenta uma tristeza profunda e duradoura, acompanhada de desânimo, apatia, desinteresse, impossibilidade de desfrutar dos prazeres da vida. Não se interessa pelas atividades diárias, não dorme bem, não tem apetite, muitas vezes tem queixas vagas como fadiga, dores nas costas ou na cabeça. Aparecem pensamentos "ruins", como idéias de culpa, inutilidade, desesperança; nos casos mais graves podem ocorrer idéias de suicídio.
A depressão é uma doença como outra qualquer. Sabe-se que na depressão há alterações no equilíbrio dos sistemas químicos do cérebro, principalmente nos neurotransmissores, noradrenalina e serotonina. Medicamentos antidepressivos, que atuam nos neurotransmissores permitem uma recuperação do equilíbrio químico do cérebro, com a melhora dos sintomas da depressão. Essa recuperação demora algumas semanas, durante as quais o apoio dos familiares é também fundamental. O acompanhamento psicoterapêutico com um psicanalista ou psicólogo permite uma complementação do tratamento medicamentoso, propiciando a recuperação da qualidade de vida.

O estresse ou stress nos acompanha quase todo o tempo. Provém da atividade mental ou emocional e atividade física. É exclusivo e individual para cada um de nós. Tão individual, de fato, que o que pode ser relaxante para uma pessoa, pode ser estressante para outra. Quando o “stress” de fato ocorre, é importante reconhecê-lo e saber lidar com ele.
Estresse emocional em excesso pode produzir doenças físicas, tais como hipertensão arterial, úlceras ou mesmo doenças do coração. A verdade é que o exercício físico pode ajudá-lo a relaxar e a controlar o seu “stress” emocional ou mental.

Estou me sentindo angustiado (a). O que devo fazer?
Reconhecer os primeiros sinais de tensão e então fazer algo a respeito pode significar uma importante diferença na sua qualidade de vida e até mesmo influenciar sua sobrevivência.
Se você estiver diante de um problema além de seu controle e que não pode ser modificado no momento, não lute contra ele. Aprenda a aceitá-lo — por enquanto — até chegar o momento em que possa resolvê-lo.
Compartilhe seu problema. Conversar com alguém sobre seus problemas e preocupações ajuda. Talvez um amigo, uma pessoa da família, um professor ou terapeuta, possam ajudar a ver seu problema sob um ângulo diferente.
Procure praticar atividade física. Quando você estiver nervoso, com raiva ou chateado, reduza a pressão através de exercícios ou atividades físicas. Correr, caminhar, jogar bola, jogar tênis, brincar com os filhos ou trabalhar no jardim são algumas atividades adequadas para isso. O exercício físico alivia a sensação de “opressão”, relaxa e ajuda a transformar as contrações faciais em sorriso. Lembre-se de que seu corpo e sua mente trabalham juntos.


Muitas vezes, os parentes e amigos religiosos podem querer levá-lo a igreja ou a qualquer outra instituição religiosa. E aí você me pergunta: "a igreja pode me ajudar?". E eu tenho que lhe responder: "talvez a igreja não, mas buscar Deus (algo divino e superior), que lhe dê forças para superar os 'trancos' da vida, pode lhe ajudar muito!". Tudo o que fazemos acreditando, realmente, que nos fará felizes e consequentemente fará feliz quem está a nossa volta, vale muito a pena.

Cuide-se!!!! Você é especial. 
Se você não se cuidar, ninguém poderá fazer isso por você.
Repouse o suficiente, tenha momentos de prazer e alimente-se bem. Se ficar tenso e irritável por dormir pouco, se nunca tiver um pouquinho de alegria ou se não se alimentar corretamente, terá menor capacidade de lidar com situações estressantes, frustrantes e depressivas.


Dra. Regiane Souza Neves – Doutora e Mestre em Saúde Mental com Ênfase em Psicanálise Clínica.

Fonte da imagem: http://pixabay.com/ (imagens grátis)

Artigo escrito em 20 de outubro de 2015. Por Dra. Regiane Souza Neves.
Dra. Regiane Souza Neves - é doutora, mestra e especialista em Psicanálise e Saúde Mental. Pós-graduada e graduada nas áreas de Educação, Direito Educacional, Neuroaprendizagem e Psicopedagogia. Também, é especialista em Ciências Políticas e Gestão Pública.

Voltar

© Copyright - Todos os direitos reservados.

Dra. Regiane Souza Neves no Instagram

Clique na Imagem